Como Saber se seu Negócio vai Bem

Para que uma empresa prospere, geralmente, precisamos ter tempo e paixão pelo nosso negócio. Mas e quando a empresa está no vermelho? O que deve ser feito?

Dificilmente sua empresa sobreviverá ao vermelho, mas podemos auxiliá-lo a prevenir isso, com 6 dicas para saber se seu negócio vai bem.

1. Queda no faturamento e estagnação nas vendas

Se as vendas não têm crescido na comparação de um ano para o outro, esse é um sinal claro de que algo precisa ser feito.

Atualmente, o problema não está apenas no seu negócio e, sim, na crise financeira que o nosso país se estagnou. Essa crise tem sido preocupante para todos no mercado.

2. Produto vendido

Outro causador da queda no faturamento e estagnação de vendas é o próprio produto vendido.

Todos os produtos tem o “tempo de ciclo”, que é o momento em que o produto mais tem saída até o momento que ele deixa de ter saída do estoque. Isso varia de produto para produto, mas, também, é um dos motivos.

Existem duas soluções para melhorar esse cenário:

Do ponto de vista do marketing, pode-se pensar em estratégias para que o produto tenha mais saída.
É possível comunicar-se melhor com o mercado, ir à busca de novos nichos, novos clientes e novas oportunidades.

Caso o mercado esteja estagnado e não seja possível aumentar as vendas, monte uma planilha para avaliar seus custos fixos ao longo de um ano e classificar os itens do maior para o de menor impacto.

Identifique o que é possível reduzir ou renegociar e aplique já!

3. Estoques cheios

Estoque parado é dinheiro parado, portanto não pegue muitos produtos para estocar, compre, no máximo, 2 unidades/lotes a mais para que não haja desperdício.

Uma ótima dica é ficar atento à época correta para liquidá-los.

4. Falta de capital de giro e endividamento

O planejamento financeiro pode ser a chave para o sucesso de sua empresa.
A dificuldade em realizar esse planejamento leva muitos a recorrerem a um empréstimo imediato, como, por exemplo, o cheque especial, que possui os juros mais altos do mercado.

Empréstimo de crédito nem sempre é uma opção ruim, pois, em alguns casos, uma linha de financiamento pode ser mais barata do que usar capital próprio.

Existe um percentual de endividamento saudável, que varia de negócio para negócio e de acordo com o setor, e, geralmente, fica entre 40% e 60% da receita.

5. Inadimplência dos clientes

Se há inadimplência, isso já é preocupante, os atrasos no pagamento de clientes devem ser considerados e calculados no capital de giro. Saiba que quem irá arcar com os gastos devido à falta de pagamento, é você.

É sugerido que use o mesmo método usado em bancos.
“Quando a inadimplência no mercado aumenta, os bancos aumentam os juros. O mecanismo é o mesmo nas empresas”.

Acrescente de 1% a 2% na formação do preço de venda, se o mercado e a concorrência tornarem isso possível, será mais fácil reverter os prejuízos.

6. Queda na produtividade e renda

Para os consultores, não existe um percentual fixo esperado de rentabilidade em uma empresa, mas alguns parâmetros devem ser observados.
O empreendedor deve perseguir uma rentabilidade maior do que a poupança, de 6% ao ano, no mínimo.

Quanto maior o risco, maior deve ser o retorno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *