e-Financeira: O Fisco de olho no Contribuinte!

Desde 2015, a Receita Federal instituiu através da IN-RFB nº 1.57115/07/ 2015, mais um método digital de fiscalização para as movimentações financeiras dos contribuintes. Através deste novo método fiscalizatório a receita obriga a todas as empresas e entidades que estejam sob o crivo de avaliação do Banco Central, Susep, Previc  e CVM, tais como, bancos, seguradoras e operadoras de fundo de previdência privada e também as operadoras de planos de saúde a informar o fisco todas as movimentações de seus clientes.  Esta modalidade de fiscalização Digital é realizada através da nova obrigação chamada e-Financeira.

Qualquer tipo de movimentação e saldos de contas de depósito acima de R$ 2.000,00 (movimentação global mensal) para pessoa física e R$ 6.000 (movimentação global mensal) para pessoas jurídicas. Em relação aos seguros saúde, cada operadora terá que informar os custos de seus segurados de forma periódica.

O objetivo desta nova obrigação é evitar a evasão de divisas ou envio de verbas não declaradas por parte de empresários, empresas, políticos e entidades (como partidos políticos) para o exterior de maneira ilegal. Para isso foi assinado um acordo entre o Brasil e os Estados Unidos para aplicação do Foreign Account Tax Compliance Act (FATCA). A e-Financeira então, foi criada de modo a garantir que este acordo seja cumprido.

Isto queque dizer que quando qualquer americano realizar algum tipo de transação aqui no Brasil, a Receita Federal, através do FATCA (Layout da e-Financeira),  enviará informações para a Receita Federal Americana e vice versa, quando algum brasileiro realizar transações financeiras em solo ou com instituições americanas a Receita Federal Americana informará automaticamente a Receita Federal do Brasil.

Muitos especialistas avaliam que os cruzamentos de dados financeiros instituídos através da e-Financeira serve também para aumentar a rigidez do fisco em relação às movimentações financeiras realizadas pelos contribuintes brasileiros, independente do Acordo Intergovernamental (IGA), pois, a crise financeira enraizada em nosso país diminuiu a arrecadação, logo, é preciso maior rigidez na fiscalização para que esta arrecadação volte a aumentar.

Obrigatoriedade da e-Financeira

Quando da sua instituição, as movimentações financeiras com valores mensais superiores ao montante estipulado em R$ 2.000,00 (para pessoa física) e R$ 6.000,00 (para pessoas jurídicas) ocorridas a partir de 1/12/15 – foram transmitidas (em caráter excepcional em 2016), até o último dia útil maio.

A partir deste ano, 2017, a e-Financeira passou a ser entregue duas vezes por ano, sendo:

  • Até o último dia útil do mês de fevereiro, com os dados referentes ao segundo semestre do ano anterior;
  • Até o último dia útil de agosto, contendo os dados relativos ao primeiro semestre deste ano. E assim será também para os anos subsequentes.

Importante: As informações referentes às movimentações financeiras de estrangeiros que residem no Brasil, ocorridas entre julho e dezembro de 2014, deveriam ter sido enviadas, em caráter excepcional, através do módulo de operações financeiras da e-Financeira.

O que deverá ser informado na e-Financeira?

Serão informados pelos bancos através da e-Financeira

  • Saldo no último dia útil do ano de qualquer conta de depósito, inclusive de poupança, considerando quaisquer movimentações, tais como pagamentos efetuados em moeda corrente ou em cheques, emissão de ordens de crédito ou documentos assemelhados ou resgates à vista e a prazo, discriminando o total do rendimento mensal bruto pago ou creditado à conta, acumulados anualmente, mês a mês;
  • Saldo no último dia útil do ano de cada aplicação financeira, bem como os correspondentes somatórios mensais a crédito e a débito, considerando quaisquer movimentos, tais como os relativos a investimentos, resgates, alienações, cessões ou liquidações das referidas aplicações havidas, mês a mês, no decorrer do ano.
  • Também às aquisições de moeda estrangeira, transferências de moeda e de outros valores para o exterior, além de benefício de previdência complementar e pagamentos correspondentes deverão ser informados pelos bancos.

Fonte: Guia Tributário

Conclusão

A e-Financeira, apesar do burburinho que gerou quando da sua instituição em 2015, nada mais é do que uma DIMOF (Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira) ampliada, que já estava em vigor desde 2008, obrigando as instituições financeiras a informar às operações que ultrapassassem R$ 5 mil para pessoas físicas e R$ 10 mil para pessoas jurídicas, por semestre. A e-Financeira então veio para incluir novos setores que devem enviar tais informações e reduzir o piso das transações.

Portanto, através da e-Financeira, a Receita Federal  aumenta o seu poder de fiscalização, tornando praticamente impossível a sonegação por parte dos contribuintes.

Segundo declaração da advogada Maria Izabel de Macedo Vialle, feita ao jornal Valor Econômico – “Essa nova obrigação cria uma nova modalidade de cruzamento de informações que pode atingir boa parte dos contribuintes já que os valores-limite das operações são pequenos”. E isto é um fato!

O BBB Financeiro está aí, e todos estão na mira do Fisco 24 horas por dia. Portanto, converse com seu contador a respeito e organize sua vida financeira, seja em relação à aplicações, investimentos, rendimentos, enfim, tudo relacionado às suas finanças, valores isentos ou tributados, para que você não seja enquadrado pelo fisco.

Até a próxima!

Referências de pesquisa:

http://fenacon.org.br/noticias/movimentacoes-financeiras-na-mira-da-receita-218/

http://www.tribunadabahia.com.br/2016/01/30/movimentacoes-financeiras-na-mira-da-receita

http://www.spedbrasil.net/forum/topics/sped-e-financeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *